Tacto e firmeza

Entre os que se opõem à acção do chefe, encontram-se aqueles que poderiam apelidar-se de revoltados por terem temperamento de chefe. Possuindo, pela menos, algumas das qualidades características dos chefes, sofrem por se verem em situação subalterna à qual nunca se adaptaram capazmente.

Com homens assim é preciso agir às vezes com tacto e firmeza. Com tacto, porque se pressentem que vós os apreciais por seu valor e estais decididos a confiar-lhe, desde que seja possível, um lugar de chefia em conformidade com as suas aptidões reais, terão a impressão de ser reabilitados a seus próprios olhos, e a sua revolta transformar-se-ia em paz.

Com firmeza, porque convém fazer-lhes sentir, sem equívoco e sem subterfúgio possível, que, no interesse da missão que conjuntamente deveis realizar, cada um em seu lugar, vós não tolerais nunca uma autoridade mais ou menos oculta que arruinasse a vossa.