Sabem que são conhecidos por ele

Um grupo, seja qual for, não possui coesão senão quando os membros não só se conhecem entre si, mas também conhecem o seu chefe e sabem que são conhecidos por ele; o ser humano tem necessidade de se sentir conhecido, compreendido, estimado e apreciado para se entregar totalmente à tarefa que lhe foi proposta, e será capaz de se exceder a si próprio, se sabe que seu chefe conta pessoalmente com ele para qualquer esforço que haja de realizar-se.

Todo o homem possui mais ou menos confusamente o sentido da sua dignidade humana; quer que se lhe reconheça a sua personalidade. Ser tratado como um número ou como simples rodagem de máquina determina nele um complexo de inferioridade que procurará contrabalançar pela indiferença, pela revolta ou pelo desprezo.

O chefe deve dar a cada um a impressão de que lhe reconhece uma individualidade própria, que o não confunde com os outros, que o distingue como tendo existência e valor especiais no meio da multidão dos seus semelhantes.

Este conhecimento profundo constitui ao mesmo tempo para o chefe a maior habilidade e a fonte do maior poder: é o segredo dos ilustres condutores de homens (cf. Napoleão puxando a orelha ao veterano: “Tu, vi-te em Marengo!”).