A resposta às questões angustiosas

O chefe deve fazer-se amar. Ë a resposta às questões angustiosas que se põem a cada instante, quando se tem de encarar o cargo tão pesado de dirigir. A confiança e o afecto resolvem na verdade, todas as dificuldades. Deve fazer com que os seus subordinados apreendam a concepção, o plano da empresa, e com que todos os executantes assimilem a sua vontade. Mas se se reflecte, consiste em comunicar-lhes a sua própria alma, comungar com eles numa concórdia perfeita, cumprir em comum um dever colectivo, coordenar os seus esforços para realizar o bem geral na justiça; acrescenta-se que é unir os homens entre si por Deus, supremo dever e bem absoluto, e emprega-se o nome teológico: é propriamente a caridade.

 

«A vida social implica relações de autoridade e de sujeição e, como Deus criou o homem sociável, quis as relações de inferior com superior. Submeter-se à autoridade, é respeitar a ordem divina; mandar e fazer-se obedecer, quando se está investido da autoridade, é igualmente cumprir a ordem divina. É necessário que aquele que manda possa servir-se da força de se impor aos outros na convicção de que cooperará na realização da vontade de Deus, e é necessário que aquele que se submete possa resistir a toda a tentação de rebelião sugerida pela ideia de que todos os homens são iguais dizendo a si próprio: “Deus o quer”.»
(Kieffer)