Proceder afirmativamente

Sede exigentes, não esqueçais que vos assiste o direito de sê-lo, tanto mais quanto vossos subordinados tiverem apreendido as razões em que se alicerçam as vossas exigências.

É preciso precaver-se para não ter de repetir muitas vezes a mesma ordem. Por isso, qualquer ordem que se dê deve revestir-se de condições tais que aqueles que têm de a executar a hajam ouvido e compreendido e possam realizá-la imediatamente.

A hesitação do chefe permite supor que, ao dar uma ordem, pressentiu as dificuldades da execução; desde então o súbdito não pensa em obedecer, espera pacientemente a contra-ordem. Ordem dada com nitidez leva à adesão quase automática.
(J. Toulemond)

Qualquer que seja o método de aproximação adoptado, é preferível proceder afirmativamente a fazê-lo negativamente. A fórmula positiva “cumpre o teu dever” contém uma força psicológica de propulsão muito superior à fórmula negativa: “Não sejas preguiçoso”. Do mesmo modo, não há que fazer entrar em jogo uma qualidade negativa, tal como o medo, se se pode apelar, com o mesmo objectivo, para uma qualidade positiva, tal como o legítimo amor-próprio ou o desejo de levar a cabo uma tarefa difícil.