O dom de adivinhar

Um chefe, sempre que pode, chama aos seus homens pelos seus nomes. Não esquece que o nome é para aquele que o usa a palavra mais suave e a mais importante de todo o vocabulário.

O conhecimento dos homens permite apreciar com exactidão o moral dum grupo e, determinar o que se pode exigir-lhe em dado momento sem correr o risco de provocar a confusão. É esse conhecimento que gera o sentimento do que se chama “o praticável”, além do qual a disciplina se rompe.

Nem todo o chefe, que é mais ou menos um educador, pode exercer uma influência feliz a não ser que seja também perspicaz para adivinhar as necessidades, as aptidões, os gostos, os caracteres, os reflexos dos seus homens. O conhecimento do coração humano não basta; é necessário possuir o dom de adivinhar o que vai na alma daqueles cujo encargo nos está confiado.