Aquele que nada arrisca nada tem

Não há acção sem risco; mas aquele que nada arrisca nada tem. Torna-se necessário sopesar o risco, tentar diminuí-lo, mas, conforme os termos do regulamento da Marinha, “há que aceitá-lo com vontade firme e resoluta”.

O esforço é a única fonte certa de liberdade e de ideal contra a anarquia interior do instinto e dos apetites egoístas. Quem salva o esforço, salva a personalidade, e pelo mesmo facto, a comunidade.

Seja o que for que façais na vida, fazei-o com o maior vigor possível.
(Lyautey)