A disciplina é um meio e não um fim

A disciplina é um meio e não um fim. Deve ser flexível para ser formativa, permitindo que os homens tomem as suas responsabilidades. Trata-se como homem na medida em que se compreende o porquê dos seus actos.

Da formação cristã, conservou a ideia bela e profunda de que todo o homem é importante, não só como pessoa, como cidadão, mas como indivíduo fraterno. (Maurois, falando de Lyautey)

O homem recusa a servidão mas não lhe repugna o serviço: pelo contrário, encontra aí a satisfação dum instinto natural de fidelidade e de segurança. Mas quer ter a certeza da estima e da confiança daquele que o dirige, e ser por ele tratado como homem.